Doença Cerebrovascular Extracraniana

O AVC isquémico representa um grave problema de saúde pública: é a terceira causa de morte e a primeira causa de incapacidade funcional a longo prazo.

A sua mortalidade varia entre 10 e 30% e os doentes que sobrevivem permanecem com um elevado risco anual de eventos isquémicos recorrentes e morte.

A aterosclerose dos troncos supra-aórticos, particularmente da bifurcação carotídea, é responsável por cerca de 20% de todos os AVCs.

O tratamento médico moderno tem por objectivo diminuir a progressão da doença e prevenir os eventos cerebrais.

A eficácia da revascularização carotídea está bem estabelecida sendo as principais opções:

  • Endarteriectomia carotídea (CEA)
  • Stenting carotídeo (CAS)

Existem, contudo revascularizações mais complexas dos troncos supraórticos.